quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

RESENHA: Trinta Olhares sobre Hillary: Reflexões por Escritoras; Editado por Susan Morrison


Hey! It's me, again!

Finalmente, depois de vários meses em total miséria literária eu li um livro - um ótimo livro, por falar nisso - e é por isso que hoje é dia de fazer a Resenha do mesmo. Me refiro à "Trinta Olhares sobre Hillary Clinton: Reflexões por Escritoras", ou, se você preferir, "Thrity Ways of Looking at Hillary: Reflections by Women Writters". A obra traz a forma de pensar de trinta mulheres sobre aquela que é provavelmente a figura política mais odiada, amada, controversa  e bem sucedida nos últimos anos.

FICHA TÉCNICA:
Título: Trinta Olhares sobre Hillary: Reflexões por Escritoras;
Título original: Thirty Ways of Looking at Hillary: Reflections by Woman Writters;
Autor: Esta é uma colaboração de 30 mulheres: Leslie Bennetts; Marie Brenner; Roz Chast; Susan Cheever; Lauren Collins; Robin Givhan; Kathryn Harrison; Cristina Henríquez; Laura Kipnis; Elizabeth Kolbert; Jane Kramer; Susan Lehman; Ariel Levy; Dahlia Lithwick; Patricia Marx; Rebecca Mead; Daphne Merkin; Lorrie Moore; Susana Moore; Susan Orlean; Letty Cottin Pogrebin; Katha Pollitt; Katie Roiphe; Mimi Sharaton; Lionel Shriver; Deborah Tannen; Judith Thurman; Lara Vapnyar; Judith Warner; Amy Wilentz; Editado por Susan Morrison
Editora: Larousse;
Tradução: Emanuel Mendes Rodrigues;
Ano de Publicação: 2008;
Primeira Edição;
Sinopse: Nenhum outro político inspira tantas reações apaixonadas como Hillary Rodham Clinton. Onde alguns vêem uma aventureira, outros enxergam uma dedicada política; onde uns vêem uma esposa há muito humilhada e sofrida, outros vêem uma primeira-dama digna e com a cabeça erguida. Trinta olhares sobre Hillary expõe detalhes que vão do pessoal ao político, do vigoroso ao esdrúxulo, para dar uma base concreta e uma vista geral da mulher que pode vir a ser a primeira presidente dos EUA. - Saraiva;

AS REFLEXÕES:
As reflexões feitas por essas mulheres são extremamente variadas. Cada uma se expressa baseada em sua experiência própria com Hillary, seja pessoalmente, através de biografias, bagagem cultural e coisas do tipo, mas todas tem em comum o desejo de ver Hillary ser presidente.

NOTA: Este livro foi publicado em 2008, na época, Hillary e Barack Obama eram os principais candidatos do Partido Democrata e os que mais tinham possibilidade de ser presidente devido seus "padrões": Hillary é mulher, e Barack, negro.

O DESEJO DE IGUALDADE ENTRE OS SEXOS. URGENTE!
Este livro despertou, pelo menos em mim, o desejo urgente de igualdade entre os sexos. Fica bem claro que se Hillary é uma figura controversa, é por ser uma mulher de sucesso, de inteligência tão grande ou maior que qualquer homem no congresso, algo que irrita bastante as elites mais conservadoras.

O FEMINISMO E O MACHISMO:
Este livro é também incrível porque também traz a perspectiva do porquê Hillary Clinton também desperta o desconforto e até mesmo o desamor das feministas. Eu cheguei à conclusão de que é porque elas estão mergulhadas em um pouco de machismo mesmo sem querer. Quer dizer, Hillary é uma mulher incrivelmente inteligente e bem sucedida, isso por si só já é um motivo mais que suficiente para olharmos para essa mulher com admiração, mas o que incomoda é que Hillary sacrificou-se em nome do seu marido, Bill Clinton, uma vez que ela deu total apoio ao seu cônjuge durante o caso Monica Lewinsky. Hillary ainda passou a entrar em "padrões da moda" e mudou seu visual por completo, além de adotar o sobrenome do marido depois que o mesmo perdeu às eleições de governador do Arkansas por ela não ter feito isso quando casou-se.

O machismo, em outra ponta, também apresenta-se na forma grotesca e nojenta que é independente da situação. Como eu falei antes, uma mulher inteligente e poderosa desperta a furia de gente conservadora. A pior passagem expondo essa imagem é na reflexão de Laura Kipnis, "Medusa Para Presidente", onde ela descreve exatamente o que alguns repórteres falam dela em jornais e biografias: o quanto ela é feia, seu cabelo é ruim e ela não tem segurança alguma; Tudo escrito por um tal Edward Klein, um homem velho que tem aparência muito pior que a de Hillary, com toda certeza.

Concluindo: até que ponto as escolhas da vida pessoal e a "péssima aparência" de uma candidata deve ser levada em consideração? E todos os anos em que Hillary esteve lutando pelos direitos das crianças e famílias? Ou sua tentativa de tentar fazer com que crianças negras frequentassem escolas brancas? (fato que não foi citado uma única vez nessas 30 reflexões) ou ainda a ajuda que ela deu no 11 de setembro, sendo talvez a única política a ir pessoalmente prestar ajuda, diferente do presidente Bush, que ficou sentado com cara de bundão? (fato que nem sombra faz nesse livro). Temos que lançar olhares e ver que ali está uma pessoa que vai poder fazer tanto quanto qualquer homem branco.

UM RATO NA LATA DE FEIJÃO:
Minha passagem favorita do livro, é quando uma escritora conta sobre um caso que Hillary defendeu no tribunal quando trabalhava na firma de advogados. A empresa a qual ela defendia era acusada por um homem que comprou uma lata de feijão dessa marca e encontrou um rabo de rato na comida. Em sua defesa, ela brilhantemente argumentou que aquela cauda estava ali e com certeza teria passado pelo processo de higienização que envolve o processo de fabricação do feijão, sendo, portanto, limpa e comestíveis em várias partes do mundo. Hillary venceu este caso.

MINHA REFLEXÃO SOBRE HILLARY:
A forma pela qual vejo Hillary não mudou em nada após a leitura deste livro. Continuo achando que ela é uma mulher admirável, que de fato cometeu alguns erros (como votar a favor da Guerra do Iraque, mas, quando ela viu que tava errada, mudou de posição), mas que mesmo assim é uma boa líder.

MINHA REFLEXÃO SOBRE "30 OLHARES...":

Um ótimo livro, expõe muito bem a maneira como alguém pode provocar reações diferentes nas pessoas e como essas reações serão caso estejamos falando de uma mulher bem sucedida e uma ex-primeira-dama que jamais ficou na sombra do marido presidente.




Foi isso! Essa foi de fato uma resenha mito diferente das quais eu costumo fazer, mas também foi ótima. Comentem o que vocês acharam!

2 comentários:

  1. Sou um admirador da Hillary Clinton, pela sua persistência e coragem de lutar pelos seus ideais, mesmo com o drama familiar levantou a cabeça e soube dar a volta por cima, conseguindo lutar pela presidência dos EUA. Não conhecia o livro, parabéns pelo texto muito bem escrito e elucidativo. Concordo contigo sobre a igualdade de géneros, mas infelizmente com o Trump no poder é algo impensável.

    Bitaites de um Madeirense

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hillary continua sendo um grande exemplos para nós. Obrigado pela visita e pelo comentário :). Volte sempre!

      Excluir