segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

RESENHA: American Crime Story - The People vs O.J. Simpson


Olá, pessoas!

Da metade pro final dos anos 90 não se falava em outra coisa senão o julgamento de O.J. Simpson. O mundo se via mais uma vez dividido entre aqueles que acreditavam que ele é culpado (maioria branca) e os que creram que ele é inocente (maioria negra). Durante o ano passado, a FX exibiu a série American Crime Story - The People vs O.J. Simpson, reacendendo o interesse popular pelo Julgamento do Século; É sobre a série que nós vamos falar hoje.
A história verdadeira:
No dia 12 de junho de 1994, Nicole Brown e Ronald Goldman, de 35 e 25 anos, respectivamente, foram encontrados mortos por vizinhos em meio a uma cena perturbadora: A ex-esposa de O.J., com o pescoço cortado, se encontrava em uma poça de sangue com o pescoço cortado, e bem ao lado, seu atual namorado, Ronald Goldman com 22 facadas pelo corpo.

Apesar das suspeitas terem automaticamente caído em cima de Simpson, ele na verdade só teve um mandato de prisão expedido cinco dias após o acontecimento. Devido às negociações do advogado Robert Shapiro e o comandante de polícia de LA, O.J. deveria se entregar às 11 da manhã após ser consultado por médicos, já que ele estava com pensamentos suicidas. Entretanto, nada disso ocorreu dessa maneira. O ex-jogador de futebol fugiu, deixando para trás uma carta de suicídio para Robert Kardashian. Depois de uma perseguição de quase 100 quilômetros, Simpson finalmente se rendeu.

O.J. declarou-se 100% inocente de todas as alegações que caiam sobre ele, mesmo que em contramão, muitas provas apontassem diretamente para ele. Detalhe: Não eram provas facilmente refutáveis, mas sim, seu DNA. Mas a defesa rebateu todas as acusações como simples argumento que isso tudo não passava de racismo, já que a polícia de Los Angeles era famosa por ser extremamente racista.

No dia 3 de outubro de 1995, com um juri composto por maioria negra, O.J. Simpson foi absorvido das acusações, mas obrigado a pagar uma indenização milionária às famílias das vítimas.
A série:
A série, lançada ano passado, traz Cuba Gooding Jr. como O.J. e Sarah Paulson como Marcia Clark. É inspirada no livro 'The Run of His Life: The People vs O.J. Simpson", por Jeffrey Toobin.

Esta é sem dúvidas a melhor série que Ryan Murphy já escreveu, digo isso sem medo, afinal, sou um grande fã dele e já assisti a todas suas séries. American Crime Story se destaca por se tratar de eventos reais, sem grandes diferenças da realidade.

Sarah Paulson também é capaz de deixar bem claro porque ganha todos os prêmios aos quais é indicada. Seja como Lana Winters ou como Marcia Clark, seu jeito de atuar é incrível e cheio de talento. John Travolta também merece menções honrosas, por ter entrado no personagem de maneira fabulosa. Mas nada disso seria possível sem Cuba Godding Jr., que ainda que não tenha nada a ver com O.J. fisicamente, foi capaz de retransmitir a personalidade do personagem.

Quanto ao fim: Nunca chega a realmente ser dito que o ex-jogador de futebol foi autor dos crimes, mas deixa brecha para que essa tese seja reforçada. Como quando ele começa a chorar sozinho dentro do quarto - que provavelmente não aconteceu na realidade, só foi algo para dar dramaticidade à produção.

Marcia Clark:
Nenhuma outra pessoa foi mais fundamental nessa briga além de Marcia Clark, a promotora que estava do lado da acusação. Jamais ela precisou a recorrer a nada além de fatos e permaneceu com eles até o final.

Acredito também que a mídia toda deva desculpas a elas por terem sido tão injustos com ela e queimá-la na fogueira por razões tolas e sem sentido, como o penteado que ela usava.

Marcia é mais uma mulher a qual podemos adicionar a nossa lista de inspirações por ter lutado com convicção e força pelo que ela acreditava e por ter conseguido fazer isso até o final sem pensar em desistir.
Racismo:
O mais forte traço do julgamento do século foi o racismo. Não apenas a América, mas como o mundo todo novamente se dividiu em raças. O pior disso tudo foi o desrespeito não apenas com a comunidade negra, mas como também às mulheres. Racismo jamais foi e jamais deveria ser o tema central dessa coisa toda, mas sim, o abuso que as mulheres sofrem todos os dias dos maridos.

Haviam mais de 7 chamadas de Nicole para o 911 por conta da raiva descontrolada de seu ex-marido. E faz ainda mais sentido pensar que ele que a matou quando vemos que ela seguiu a vida e estava se relacionando com um cara mais jovem que ele - e até mais jovem que ela.

O racismo deve ser sim combatido, mas nesse caso, a lição que deveria ficar é sobre como as mulheres sã abusadas por seus maridos e como isso fica impune até o dia que ela aparece morta com várias facadas em cima do próprio sangue.

Culpado ou Inocente?
 Após assistir e fazer muitas pesquisam em cima do caso, eu acredito que O.J. Simpson é culpado por esse crime. DNA por si só é irrefutável. Agora adicione o fato que ele tinha razão, seu temperamento nos áudios do 911 e todas e inclusive a linha do tempo dos acontecimentos.

O.J. chegou ainda a escrever um livro sobre como hipoteticamente ele teria matado sua mulher. Há também o fato que seus próprios amigos duvidavam dele e que inclusive Chris Darden - advogado de acusaçã - chegou a falar em uma entrevista que nos bastidores do julgamento ele chegou a confessar.

Eu altamente recomendo que todos vocês assistam esta série e que tirem suas próprias conclusões sobre o ocorrido. ACM já está disponível na Netflix. Deixem também seus comentários. Vocês já assistiram à serie? Acham que ele é inocente ou culpado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário