segunda-feira, 2 de outubro de 2017

RESENHA: Fifth Harmony (álbum)


Quanto tempo, pessoas!

Este post marca não somente a volta do blog à frequência normal de postagens, mas também uma semana especial com bastante resenhas musicais e playlist, afinal, nenhum comeback é digno se não houver uma boa música para acompanhá-lo.

Na primeira postagem desta semana, vamos falar um pouquinho de Fifth Harmony. Não é mais novidade para ninguém a história dessas garotas, que participaram do X-Factor 2012, ficaram em 3° lugar e seguiram uma grande tradição de ganhadores de terceiro lugar que são mais relevantes que os de primeiro lugar (antecedidas pelo Little Mix e One Direction, que vieram do mesmo reality). O novo álbum de estúdio, que recebe o nome da banda, marca não apenas a primeira estréia sem Camila Cabello, mas como também o terceiro álbum de estúdio delas.

Ainda que o lançamento tenha sido há um tempinho e que infinitos novos lançamentos de diferentes artistas já foram estreados desde então, mas eu confesso que não tinha escutado nada além dos singles até por minhas mãos na cópia física do álbum - que também será discutida. Já que os singles foram mencionados, nada melhor que começar por eles. "Down", o carro chefe, é nada diferente do que as meninas têm lançado até então, em fato, é a mesma coisa que "Work From Home", mas com um rapper diferente e uma integrante a menos.


"Angel" é uma música com um refrão chiclete e clipe tumblrzinho. A canção é boa e super indicado ao povo que adora uma música dançante. Definitivamente meu single favorito.

"He Like That" tem uma pegada sexy e ousada. O refrão não está longe de receber os mesmos adjetivos do single mencionado anteriormente. Obrigado, Fifth Harmony por nos abençoar com este clipe.
"Deliver", o mais recente, traz um vídeo cujo conceito nos leva de volta a outro clipe do álbum anterior, "Write On Me", apesar de musicalmente ambas não serem nem de longe parecidas em algum aspecto.
Com alguém que conhece Fifth Harmony desde quando elas eram cinco garotas desconhecidas que tentaram a chance num programa de TV, que acompanhou a evolução desde Better Together e tem os CDs todos, me sinto como se estivesse acompanhando uma banda que não faz trabalhos diferentes a cada álbum. Os trabalhos ainda tem uma necessidade muito grande de baladas românticas que elas seriam capazes de cantar como ninguém, até agora só temos "Who Are You" e "1000 Hands", que inclusive é exclusivo da versão japonesa do 7/27.
Ainda que eu saiba que essa falta de "evolução musical" não seja culpa das garotas, mas sim da gravadora e dos produtores que buscam apenas o topo das paradas nos rádios, seria maravilhoso se Fifth Harmony deixasse o pop fabricado e explorassem outros lados de si mesma, especialmente com vozes tão potentes e talentosas como elas têm.
De maneira geral, este álbum é mais do mesmo. Não que ele seja um total flop ou seja ruim, muito pelo contrário, as músicas são boas, mas traz um lado que já conhecemos e nos deixa querendo ver o universo que elas podem nos mostrar mas por razões contratuais acabam impossibilitadas.


Onde estão as manas Harmonizers por aqui? Quero saber de vocês nos comentários as opiniões de vocês a respeito deste álbum. Até mais povo, xoxo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário